Sobre Casas Assombradas

Todos conhecem histórias de casas onde coisas estranhas acontecem. Pessoalmente, quando eu era criança, estes causos eram das minhas histórias favoritas para ouvir… Sempre fui fascinada por relatos que sugeriam manifestações do além. Acho que não é à toa que eu hoje trabalho com isso.

Minha querida bisavó contava de uma casa em que viveu em Rio Grande (RS), na qual à noite as páginas dos livros eram folheadas, além de estranhas conversas que eram audíveis. Na minha família também havia uma casa onde passos eram ouvidos na escada, além de barulhos estranhos noturnos, aparição de vultos, e até materialização de um grito de horror que foi ouvido por quatro pessoas ao mesmo tempo. Um amigo meu viveu num lugar antigo no exterior em que copos voavam da pia no meio da noite, e até estouravam em pleno ar. Já no meu trabalho, topei com uns dois casos específicos: um mais simples e outro mais pesado em que uma pessoa foi empurrada da escada e um bicho de estimação amanheceu afogado na piscina.

Delicioso não é mesmo? Eu amo casas assombradas e é uma pena que eu não tope com elas tanto quanto gostaria. Às vezes gosto de acompanhar alguns canais de mistério e de conspirações no YouTube, porque volta e meia surge um novo vídeo de um suposto fantasma ou acontecimento paranormal. Alguns são evidentemente falsos, outros vão carecer de explicação por um longo tempo.

Bem, sem mais delongas, uma casa pode estar assombrada por vários motivos.

O mais comum que topo é quando espíritos estão presentes. As razões para eles permanecerem num local são inúmeras: por apego material; por não terem percebido que já morreram; por serem atraídos pela vibração negativa; para perseguir alguém que viva por lá; etc. É óbvio que para acontecer algo “físico” (por exemplo a cadeira que você está sentado agora ser arremessada no ar), é preciso uma energia chamada ectoplasma  que é um meio-termo entre o nosso físico e a matéria hiper-sutil que forma o corpo de um espírito (lembrando que em essência eles são imateriais mas no astral da Terra ficam vestidos pelo corpo astral). O ectoplasma não vem do nada, ele SEMPRE vem de um médium de efeitos físicos. Então qualquer casa assombrada precisa desse combustível e esse combustível vem de uma pessoa. Pode vir de você, até, se você for médium de efeitos físicos. Legal, né?

Aliás, eu detesto os programas americanos de investigação paranormal e grande parte dos ghost hunters justamente por isso (e eu acho irritante aqueles aparelhinhos). Eles em geral invadem um espaço, muitas vezes desativado, para incomodar os espíritos que estão lá, e nem ao menos oferecem ajuda pra eles ou limpam o astral do ambiente para liberta-lo. Quando muito queimam uma sálvia que eu acho uma coisa medonha pra se fazer, que é a mesma coisa que cutucar uma onça que já está irritada, ou fazem uma oração “padrão” bem malfeita. Quanto a tudo isso sou muito ética. Não me meto em nada por curiosidade: se eu pego um caso assim necessariamente tem um objetivo que de algum modo será benéfico.

Outro motivo são os fantasmas. Para mim, um fantasma não é a mesma coisa que um espírito. O fantasma é um “eco” de algo marcante que aconteceu ou de alguém que pertenceu ao ambiente, mas não tem a presença real de um espírito. Acho que um caso famoso é o da Torre de Londres que dizem ser bem assombradinha. Circulou uma época um vídeo de uma aparição de uma espécie de homem encapuzado que até identificaram. Quando tem o já dito combustível de ectoplasma, esses ecos ganham cor e vida e ficam repetindo e mostrando o que houve no passado. Esses casos pra mim são bem simples de lidar porque basta uma limpeza padrão. Os de espíritos são um pouco mais complicados porque tenho de ajudar o espírito a ir pra luz além de limpar o ambiente.

Por fim temos o incrível poltergeist. Esse de todos é o único que me dá um pouco de medo. Sempre que leio sobre eles ou vejo vídeos eu capto uma energia extremamente agressiva, e em alguns pessoas ficam machucadas pelo tipo de coisas que ocorrem. Aqui eu fico um pouco dividida. Acredito que alguns são causados pela energia “forte” da própria pessoa; outros são decorrentes de um ambiente hostil que guardou energias afins ali, o que com a presença do ectoplasma vira uma bomba; e raros, e escute bem, raríssimos, incluem uma presença que eu classifico como demoníaca. Agora, eu uso o termo demoníaco com cautela porque eu sei que o demônio em si como todo mundo imagina não existe, e sim espíritos de pessoas desencarnadas muito más e ignorantes que podem até ter o corpo astral distorcido. Eu digo raro porque em geral eles não se manifestam por aqui comumente.  Evocar uma força demoníaca também não é pra qualquer um. E acredite em mim, topei ao longo desses anos todos com apenas três e é uma experiência péssima e inesquecível, e onde a Luz também sempre no fim é maior para ajudar a neutraliza-los. E não, sua sogra não chega nem perto de um “demônio” de verdade.

Numa categoria ainda à parte eu coloco locais que foram amaldiçoados ou alvo de feitiçaria e magia negra – alguns destes contam com o uso de entidades elementais. Também, aqui eu colocaria pontos da natureza que por algum motivo possuem em si uma vibração inferior e onde foram erguidas casas, prédios, cidades, etc. O pessoal da Radiestesia entende tudo disso.  Se juntar todas essas coisas, vira um balaio-de-gato maravilhoso (e assombroso) onde acontece de tudo.

Por sinal, você deve conhecer lugares que ficam pra alugar como ponto comercial e nunca para nenhuma empresa: ou ela se muda ou dá tudo errado e vai à falência. Casas idem, onde nunca para ninguém.

A razão pela qual eu trato tudo isso com bom humor é porque a pior coisa que você pode fazer caso tenha a felicidade infelicidade de ir parar numa casa assombrada é ficar com medo. O medo libera energia que alimenta o que quer que esteja lá ou com você.  O melhor modo de encarar um lugar assim é como encaramos uma casa mais ou menos suja que precisa de faxina. Você limpa o espaço físico, às vezes precisa limpar o astral. Na sujeira mais leve você dá conta, na mais pesada chama uma faxineira das boas (alguém que entenda).

Outro ponto a ser considerado é que quanto mais sensibilidade, maiores a chance, e o inverso é verdadeiro. Tem gente que mora até no cemitério e nunca vê nada. Tem gente que entra na igreja já vendo de tudo. Quando você é sensível você tem disponibilidade de ver, ouvir, sentir, “ler” o que está presente numa casa assombrada. Quando você não tem, pode ser que nunca experiencie nada, mesmo num lugar medonho como a casa dos assassinatos de Amytiville.  E pode ser que você seja curioso e compre esses aparelhinhos que me irritam profundamente só pra xeretar se tem algo do além na sua casa ou dos seus amigos.

Por fim, o que quero dizer é que casas assombradas existem e apesar do humor, não são brinquedo. Se você se aventura numa, algo de lá pode acompanhar você. Pessoas que vivem em locais assombrados podem adoecer, além de terem suas vidas bagunçadas completamente. Há pessoas que mesmo se mudando continuam sendo perseguidas. Mas, a boa notícia é que para tudo há solução! Menos pra sua sogra, evidentemente (mentira, sempre há esperança na reencarnação futura).

Espero que o texto de hoje tenha os entretido e informado.
E se tiver um bom causo pra me contar, deixe nos comentários!

Lembrem-se crianças, nada de sair por aí desavisadamente em busca de lugares assombrados. Se forem, peçam proteção e à Luz divina que os acompanhe, e tentem não fazer isso sem um bom motivo (ou sejam logo curiosos como eu que fica vendo vídeos disso até tarde e depois não consegue dormir direito).

Paz e Luz a todos!

3 comentários Adicione o seu

  1. Cíntia disse:

    Amei o texto! Eu morei em uma casa assombrada na cidade de Ribeirão Preto por cerca de 5 anos. Lá aconteceram muitas coisas.
    Geralmente todas as noites as portas dos guarda-roupas embutidos se abriam sozinhas e as roupas eram atiradas no chão uma a uma, isso com a gente vendo tudo. Minha cachorrinha latia, rosnava, ficava agitada e por vezes perseguia algo que nós não víamos o que era.
    No meu quarto, meu rádio por vezes ligava sozinho, geralmente no volume máximo.
    A televisão do quarto da minha mãe também vivia ligando sozinha, e pior, ainda mudava de canal.
    Uma noite minha irmã tinha que tomar um antibiótico à meia noite. Nós estávamos esperando a hora de dar o remédio para ela, mas aconteceu de todos na casa deitar e acabar dormindo. Quando deu meia noite a TV do quarto da minha mãe ligou e ela ouviu uma voz de homem dizer: o remédio, vocês estão esquecendo.
    Teve uma outra vez também que eu acordei a noite e vi uma mulher saindo do quarto da minha mãe indo em direção a cozinha. Pensei “minha mãe vai tomar água, eu vou também” Levantei e segui a mulher, meio sonolenta ainda, entrei na cozinha e fiquei esperando ela acender a luz. Como estava demorando muito eu falei: mãe? mãe? Nisso, ouvi uma risada, daquelas bem debochadas mesmo, me arrepiei toda e corri para o quarto da minha mãe. Vi ela e meu pai dormindo. Voltei para o meu quarto e nem água tomei rsrsrs
    Essas são só algumas das tantas coisas que aconteceram lá. Sem contar que toda vez que minha mãe ia lavar o banheiro ela gritava porque via um homem espiando por cima do box.
    Uma vez procuramos um centro espírita e contamos tudo que ocorria na casa. Eles ensinaram uma limpeza para ser feita dentro casa. Fizemos a limpeza mas naquela noite ninguém dormiu. Ouvíamos pessoas correndo ao redor da casa e batendo nas janelas. Minha mãe fez a limpeza no quintal também e aí melhorou por algum tempo. Depois mudamos. Mas mesmo assim éramos felizes e não tínhamos problemas de saúde além do normal como gripes e rinite…Bons tempos rsrsrs

  2. Soraia disse:

    Nova, tenho uma dúvida: gostei muito do texto e vi que você citou igreja. Tenho um pouco de sensibilidade e já entrei numa igreja de cidade pequena e me senti muito mal. A energia lá era péssima, o que me surpreendeu, já que deveria ser um lugar de luz. Tens alguma explicação para isso?

    1. Nova Sensitiva disse:

      Tem explicação sim meu amor. Aliás, explicações. Sobre o local específico que você comenta me veio muito sofrimento, acredito que muitas pessoas que passaram por momentos ruins acabaram impregnando o astral por lá. Eu já estive num ambiente que era religioso, e depois sonhei com uma das salas que antigamente foi um quarto, e eu sentia angústia e tristeza, que era o que uma das pessoas que habitou sentia ali em vida. Um lugar “santo” ele precisa ser consagrado e firmado na luz e principalmente MANTIDO positivo. Uma das tentativas das Trevas é justamente mudar a vibração destes lugares sempre que possível, de preferência enquanto ainda é frequentado. Vide a quantidade de rolos que volta e meia acontecem dentro dos grupos entre pessoas que fazem parte de igrejas, centros, terreiras, etc. Problemas de convivência, disputas, etc. Também pode ser que tenham sido construídos em pontos desfavoráveis, e que os próprios frequentadores não tenham lá muita fé. Eu já fui não em igrejas, mas centros, onde me senti mal por causa do clima negativo das pessoas.

E você, o que está pensando?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s