Energias de Alguns Programas de Televisão

Cena do Filme "Poltergeist" (1982)

A ideia pra esse texto surgiu no meu Facebook quando eu estava comentando sobre o BBB 14.

Como grande parte das pessoas que entram aqui pra ler, eu sou sensitivo, e eu também vivo na Terra. Portanto, ao longo do meu dia, dificilmente eu estou neutralizado, isto é, não esto sentindo ou captando alguma coisa. Agora, uma coisa que as pessoas chatamente infelizmente não entendem é que o fato de você ser sensitivo, médium, paranormal, ou como quer que chame, não faz de você necessariamente um adivinho. De qualquer jeito, eu comecei a perceber que certas produções artísticas elas também possuem energia, e foi justamente através da televisão que eu pude perceber isso melhor.

Essa semana estava eu em casa encalhado junto com a Globo. Bem, nada demais quanto a isso, acabei assistindo uma parte da programação. O que me chamou a atenção, contudo, é justamente como cada programa tem uma “coisa” que é diferente do outro.

Sobre o BBB, por exemplo. Vou copiar o que eu escrevi:

Como não tenho nada pra fazer, quem gosta de assistir o BBB talvez acharia interessante saber que a ‘casa’ em si tem bastante manipulação de energia. Os ambientes eles têm cargas bem fortes e induzidas, ou seja, cada ponto estimula reações e estados específicos. O grupo desse ano até que não tem nada assim terrível em si, o mais negativo é o entorno – a cercania, a produção, espaço em volta (bastidores), estes é que têm uma energia muito, mas muito escura. Não sei exatamente o motivo disso, só sei que tem e uma ligação forte com o astral mais inferior. É isso. Comentário inútil do dia por Rafael, o sensitivo.

A impressão que me dá é que a casa que nós vemos (a que é filmada) funciona como uma ilha ou rinque. O que existe ao redor, pra mim, é tão escuro que eu me pergunto se existe alguém na produção ou no canal que tenha conhecimento da manipulação de magias e energias. Eu comecei a lembrar então de certas entrevistas que eu vi. Se você reparar bem, ninguém parece realmente tão feliz e leve quando fala que trabalha no BBB. Esse entorno ele é cheio de vibrações de pressão e cobrança, portanto imagino que seja mesmo exaustivo o contato. O fenômeno “dentro” é uma intensificação… Existe algo ali que puxa o que existe de mais interior nas pessoas, e coloca pra fora. Talvez você pense que é de propósito, mas tenho certeza que muitos ali ficam como você quando vai na festinha dos seus amigos e começa a querer se aparecer, ou na frente das visitas, só que estendendo isso por 24 horas ao longo de semanas.

Um outro programa bem engraçado de se ver é o da Ana Maria Braga, o Mais Você. Apesar do esforço da apresentadora, aquela casa construída tem algo ali que é sombrio. Eu vejo que a Ana Maria tenta ancorar muita luz, mas eu diria que é algo ali naquela locação. Agora veja você, pelo pouco que ouvi falar, o set não foi construído em qualquer lugar, mas em um que supostamente favoreceria a execução dos projetos. Acho que pode ter cumprido seu objetivo, já que não sei que plano existia… No entanto, a energia do Mais Você é fria, ela não é acolhedora como costumava ser os programas mais antigos da apresentadora. Ele se tornou um programa que é voltado de ela pro indivíduo, ele não tem um caráter interativo, aberto… E aí entra o lado ruim. Tudo que se for fazer nesse sentido sempre vai sair meio prejudicado, não vai ter tanto alcance, o que eu – como telespectador – penso ser um negócio não tão bom.

Partindo pra um outro lado, temos o programa de Fátima Bernardes, o Encontro. Esse eu quase não consegui acompanhar em razão das férias da Fatinha (sou íntimo). O caso é que nele a gente tem outro exemplo… Na casa do BBB dá pra perceber que a “construção” tem um papel importante; na da Ana Maria se vê como coisas além podem interferir (o que não foi planejado) em alguns casos; no Encontro nós temos o papel da pessoa com seu campo. O programa dela em si tem uma ambiência neutra, mas o que traz o diferencial é justamente a energia dela que se sobrepõe a qualquer outra ali. A Fátima é uma dessas pessoas que possui um dom de espírito para o comando, portanto a energia dela naturalmente flui de modo a envolver e influenciar (possivelmente em casa quem ganha as discussões com o Bonner seja ela). Quando ela saiu de férias, ficou essa lacuna que nem com três bem-intencionados apresentadores, foi possível ocupar para manter. É como segurar um rojão amarrando ele com um fio de linha de costura. Não dá.

Um outro ponto que me chamou atenção foi a novela das 21 horas, Amor à Vida.

Eu não acompanhei a novela, apenas peguei no final por insistência do falatório em torno do Félix e do Carneirinho. Mas só de ver a trama eu fiquei surpreso de constatar que o não-envolvimento do ator empobrece a vibração. Percebi nitidamente isso no Marcello Antony antes de ele sair falando do texto e do enredo. Pelo que eu entendi, quando o ator é desses que mergulha na coisa, isso gera uma energia… É como uma Criação (divina). O que vemos ali é realmente a energia de um Félix – o Mateus Solano desaparece energeticamente e surge essa entidade, ela é evocada, e ela existe naqueles momentos. Quando vários bons atores se reúnem em cena, isso cria uma coisa que é inédita. E o mais importante: essa junção de energia de boa qualidade é gostosa, é nutritiva, e ela “mexe” com a gente. Penso que o mesmo valha pra um bom filme ou livro… E o oposto é verdadeiro. Há algo que suplanta a técnica, e que pode significar sucesso ou fracasso.

O que concluí disso tudo é que toda produção artística ela pode gerar um campo de energia. Quando entramos em contato, sintonizamos e conseguimos extrair disso informações e impressões. Lógico, quem é sensitivo, à sua maneira. É como se ao ler um livro, você não está lendo só impressões em papel, você também está acessando algo numa outra dimensão, que reúne toda uma energia… Isso explica por que inesperadamente uma obra considerada por muitos não tão incrível, de repente vira um best seller. É uma alquimia, quase como uma magia, que o autor pode ser capaz de fazer (ou não). Programas, novelas, telejornais, eles também tem um espaço que você entra, e se sente bem (ou não), e que reúne qualidades e capacidades, ou pode ser fonte de contrariedades e até aborrecimentos.

Quando você está diante da televisão ligada, realmente, está em contato com o astral também – ele está em tudo. Dependendo da sua faixa vibracional e das suas preferências, há coisas que gosta e outras que não, que te fazem bem e pra outra pessoa são insuportáveis… Tudo é válido.

Como sensitivo, porém, penso que é possível prever algumas tendências desses programas no sentido de se vão ou não conquistar e oferecer algo saboroso pra quem assiste. Acredito que a televisão, por todo esse poder, acaba se tornando carente de algo um pouco mais tocante. A energia que os veículos de comunicação fazem circular poderia ser melhor aproveitada, óbvio.

1 comentário Adicione o seu

  1. Renan Pires disse:

    Tudo é energia mesmo, esse artigo me lembrou dos livros que li do medium “James Van Praagh” que relata as experiências que ele tem que dizem respeito a energia dos lugares. Muitos dos quais ele foi, como por exemplo o local em Dallas em que Keneddy foi assassinado, ainda conservam a energia negativa do ocorrido, e ele disse que sente muito forte essa energia e até vivencia o evento que ocorreu. Impressionante.

E você, o que está pensando?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s