Ter Fé

Flor da Noite
Flor da Noite

Faz algum tempo que não venho até o blog para compartilhar. Mas frente aos acontecimentos, acreditei que seria útil.

Respeitando todas as individualidades que compõem o planeta, existe um movimento energético que atua sobre todos nós. Ou seja, a cada período o planeta passa por um fluxo que tem um sentido norteando nossas vidas. Já passamos por isso muitas vezes, e agora não é diferente.

O que me faz escrever hoje é a observação de acontecimentos difíceis na vida das pessoas com as quais tenho convivido, incluindo a mim mesmo.

Estamos passando por uma fase onde estamos tendo de encarar nossos maiores medos. É provável que as coisas que sejam mais capazes de nos incomodar, ou desestabilizar, estejam acontecendo… Se não conosco, com as pessoas à nossa volta. Tem sido altamente numerosos o número de acontecimentos totalmente inesperados.

“Qual o sentido de isso tudo estar acontecendo?”, você pode estar se perguntando.

Bem, cada um de nós possui um calcanhar de aquiles. Possui uma grande fragilidade na alma, a qual influencia muitas de nossas escolhas e ações. Durante muito tempo fugimos dela, e a camuflamos através do possível, sob nossas defesas. Não as escondemos por “mal”, mas por pura necessidade de abstrair de um sofrimento com o qual não tenhamos potencial para lidar.

Por algum motivo, a vida está chamando a nós, humanos, enquanto coletividade, a encarar nossa sombra mais dolorida. E este é o momento que tem se acentuado nestes meses, e em especial  junho/julho.

Conforme vamos nos deparando com a dor, ou com a dor de nossos amigos e seres mais queridos, desenvolvemos em nosso coração o melhor que existe na raça humana: a própria humanidade. É através destes tempos que nos pegamos cheios de compaixão, e nos dando conta que temos agora opiniões diferentes das de antes: mais compreensivas, mais humanitárias, e acolhedoras.

Além de estarmos profundamente sensibilizados e frágeis, esta época nos faz sentir uma enorme necessidade de acolhimento. A busca por um refúgio, mesmo quando não conseguimos localizar um (o que é capaz de gerar angústia).

Algumas pessoas já enfrentaram este processo no final de 2008 e início de 2009. Estes tem dado apoio aos que agoram enfrentam este caminho.

Se você parar para pensar bem, estamos vivendo como se estivéssemos em uma grande despedida. Questões urgentes surgem dentro de nós, e a vontade de resolver pendências… De experimentar o reencontro, o perdão, a reavaliação de quem somos e como estamos diante de nós e dos outros. É como se estivéssemos nos preparando para partir, ou deixar uma parte de nós que não é mais necessária.

Retomando a questão, os caminhos de Deus por vezes são misteriosos. Nem sempre nos é claro o destino das coisas pelas quais passamos… Aqui na Terra, somos como crianças pequenas que não entendemos bem o que se passa ao nosso redor – não sabemos que existem contas, nem trabalho, nem guerras, nem universidades, ou tantas outras coisas. E se tomamos conhecimento, não compreendemos exatamente o que estas coisas querem dizer.

O único conselho que me chega, possível de dar, é: “aproveitem este momento“. Ou seja, usem desse potencial – que por fora nos parece amargo – para extrair o melhor dele. Usem o perdão, a compaixão, a paz, e o amor. Pratiquem o amor em sua melhor expressão.

O caminho para a liberdade passa pela transformação. E neste primeiro semestre estamos todos nos transformando.

A todos que esperavam por grandiosas catástrofes como maneira de por à prova a raça humana, percebemos que as viagens e acontecimentos interiores tem forte peso. Eles nos atingem e nos colocam em xeque.

Tome cuidado ao avaliar suas decisões, use o coração. Estes tempos pedem que possamos identificar através de nosso sentimento aquilo que é melhor para nós… Não sejamos vis, e procuremos respeitar o próximo e seus limites.

Em 2009/2 estaremos passando por uma continuidade que nos guiará a outra etapa.

Por hora, tenhamos Fé e Coragem (agir com o coração).

E que Deus nos ilumine e fortifique! Que Assim Seja!

P.S.: Do Novo Testamento, no livro de Mateus, Capítulo 24, versículo 12: “E, por se multiplicar a iniquidade¹, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.

(¹Iniquidade = grande injustiça, pecado, crime, pervesidade, maldade, etc.)

E você, o que está pensando?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s